Arquivo da categoria: Odeceixe – Castro Marim

Odeceixe – Castro Marim (PT)

See English Version Here

 Venho partilhar mais um belo passeio realizado neste mês de Novembro. O propósito e planeamento foi realizado no sentido de atravessar todo o interior do Algarve tendo inicio em Odeceixe atravessando a Serra de Monchique e a Serra do Caldeirão e terminar junto à fronteira no Rio Guadiana em Castro Marim.

O que vimos foi um Algarve muito diferente daquele a que estamos habituados junto da orla costeira. As pequenas povoações que atravessámos não tinham hotéis, resorts de golf e muitas delas não tinham sequer uma qualquer mercearia. É visível o nível de abandono, passando por muitas casas abandonadas e em ruínas e as pouquíssimas pessoas com quem nos cruzamos pertenciam a um escalão etário já bastante avançado.

Ainda assim, e apesar de ter estado a chover quase todo o tempo, a vista do topo das serras é de uma beleza avassaladora, sendo possível por vezes avistar o mar. Junto às ribeiras de Seixe, de Odelouca, de Arade ou de Odeleite que serpenteiam entre os montes, é possível encontrar pequenos recantos cheios de verdura em que o silêncio só é cortado pelo murmurar das águas e onde parece que o tempo parou.

Uma nota menos positiva vai para o estado desolado em que ficou boa parte da Serra do Caldeirão depois dos fortes incêndios que lá tiveram lugar.

Navegar é preciso terra adentro e descobrir um património que é nosso mas que não vem nos folhetos turísticos.

Link para descarregar track;

http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=8272296

Boas navegações!

Uma vista geral do percurso percorrido
Uma vista do Trajeto
Passagem da Ribeira de Seixe
Passagem da Ribeira de Seixe
Perto de Srª da Brejeira
Perto de Srª da Brejeira
A subir no sentido do topo da serra (Mesquita 616 mts)
A subir no sentido do topo da serra (Mesquita 616 mts)
1-IMG_5011
.-.
1-IMG_5012
.-.
Já no topo
Já no topo
Quando se sobe... tem que se descer. E esta era uma descida  das manhosas com o que tinha chuvido
Quando se sobe… tem que se descer. E esta era uma descida das manhosas com o que tinha chovido.
Descanso 1º dia
Descanso 1º dia
Depois de uma noite de chuva consecutiva o tempo parecia melhor para segundo dia
Depois de uma noite de chuva consecutiva o tempo parecia melhor para segundo dia
Passagem da ribeira de Odelouca. Há que inspeccionar antes para depois não haver dissabores.
Passagem da ribeira de Odelouca. Há que inspeccionar antes para depois não haver dissabores.
Na linha do horizonte começa a desenhar-se a Serra do Caldeirão
Na linha do horizonte começa a desenhar-se a Serra do Caldeirão
Passagem do Rio de Arade
Passagem do Rio de Arade
Junto da Ermida de Sant´Ana. Um pouco de historia de Portugal. http://www.barlavento.pt/index.php/noticia?id=49748
Junto da Ermida de Sant´Ana. Um pouco de historia de Portugal.
http://www.barlavento.pt/index.php/noticia?id=49748
Um projecto interessante. Na prévia preparação do trajecto, usei como referencia partes da Via Algarviana. http://www.viaalgarviana.org/
Um projecto interessante. Na prévia preparação do trajecto, usei como referencia partes da Via Algarviana.
http://www.viaalgarviana.org
.-.
.-.
.-.
.-.
Aqui foi uma das partes mais bonitas pois durante alguns kms seguimos sempre pelo topo de uma cordilheira tendo à direita o vale onde se situa a povoação de Freixo Verde e à esquerda a de Monte Ruivo
Aqui foi uma das partes mais bonitas pois durante alguns kms seguimos sempre pelo topo de uma cordilheira tendo à direita o vale onde se situa a povoação de Freixo Verde e à esquerda a de Monte Ruivo
.-.
.-.
.-.
.-.
Rocha da Pena http://www.cm-loule.pt/menu/758/paisagem-protegida-local-da-rocha-da-pena.aspx
Rocha da Pena
http://www.cm-loule.pt/menu/758/paisagem-protegida-local-da-rocha-da-pena.aspx
.-.
.-.
Passados dois anos ainda  são visíveis as marcas do grande incêndio que devastou parte da Serra em 2012
Passados dois anos ainda são visíveis as marcas do grande incêndio que devastou parte da Serra em 2012
Fim do segundo dia
Fim do segundo dia
Alegre despertar no terceiro dia (2º furo)
Alegre despertar no terceiro dia (2º furo)
Próximo ao lugar de Castelão. Um lindíssimo anfiteatro natural
Próximo ao lugar de Castelão. Um lindíssimo anfiteatro natural
Passagem pelo "anfiteatro" com a ribeira de Odeleite no vale
Passagem pelo “anfiteatro” com a ribeira de Odeleite no vale
O nosso fiel timoneiro "Oziexplorer"
O nosso fiel timoneiro “Oziexplorer”
Depois de uma valente "borrasca" o céu abriu e já era possível ver o mar
Depois de uma valente “borrasca” o céu abriu e já era possível ver o mar
A viatura que torna tudo isto possível. O nosso bom guerreiro que não se nega a nada.
A viatura que torna tudo isto possível. O nosso bom guerreiro que não se nega a nada.
Ao fim de três dias a meta à vista o Rio Guadiana
Ao fim de três dias a meta à vista o Rio Guadiana
No fim da jornada os céus agraciaram-nos com um belo Arco Íris.  Tudo está bem quando acaba bem :)
No fim da jornada os céus agraciaram-nos com um belo Arco Íris. Tudo está bem quando acaba bem 🙂